Junho, 2018 – A Easy, maior aplicativo de chamadas de táxi da América Latina, considera que a Prefeitura de Porto Alegre (RS) não atingiu os principais problemas e barreiras para os taxistas e passageiros com o Projeto de Lei (PL) 18,  sancionado nesta sexta-feira (08/06) e que altera a Lei 11.582/14. A Prefeitura de Porto Alegre não flexibilizou as regras rígidas de tarifação, que impedem uma precificação competitiva e justa. Além disso, as barreiras de entrada permanecem inabaladas, fazendo com que o modal seja incapaz de concorrer para atender toda a demanda existente nos grandes centros urbanos do país.

A prefeitura também perdeu oportunidade de oferecer um diferencial competitivo ao serviço público de táxis ao vetar o acesso aos corredores de ônibus. O aplicativo monitorou por 18 meses o desempenho dos táxis em dois corredores de ônibus e de carros nas vias comuns de São Paulo, e concluiu um redução média de 30% do tempo das viagens nestes trechos que beneficia usuários e taxistas. O estudo considerando corridas entre 16h e 21h e em todos os dias da semana da capital paulista.

O governo porto-alegrense demonstrou preocupação com a qualidade  e segurança do serviço ao exigir exame toxicológico, obrigatoriedade de gravação de imagem no interior do veículo e reduzir a idade máxima dos táxis. A empresa entende que esses pontos da lei necessitam ser regulamentados de forma adequada para não gerar ainda mais burocracia e onerar os motoristas que já têm um custo muito alto na manutenção da profissão, além de determinar prazo justo para adequação da categoria às novas regras.